Bem querer bem...

Captura de Tela 2021-03-25 às 12.39.23.p

A minha vida,

Se nesse momento existe

É um flutuar

Entre estar dormindo acordada

Embalada pela infância...

Tirar os pés do chão e alçar voos imaginários, onde só a leveza de um coração poderia nos levar.

Provocar a amplitude do espaço interno para então, redimensionar obstáculos, e assim, alcançarmos o timbre poético, da própria liberdade em si. Terna, amorosa e duradoura. Possível? Claro, que sim!..

Juntem-se ao nosso contentamento, por termos vivido o ato de brincar e criar, como velhas crianças!

Baseado no poema, Bem querer, bem...

Intérpretes. Marta Cesar e Mara Borba 

Produção de áudio, composição musical, texto e voz. Mara Borba

MARTA CESAR || Graduada em Direito pela Faculdade de Direito da USP (Largo São Francisco) em 1985, seguiu a carreira artística que já desenvolvia como bailarina no Balé da Cidade de São Paulo até 1994. Partiu para a Alemanha, onde reencontrou Mara Borba e trabalhou como assistente de coreografia nas remontagens de “Certas Mulheres” e “A Rainha do Frango Assado”. De volta ao Brasil em 1997, passou a residir no estado de Santa

Catarina por 20 anos, onde atuou em diversas funções na área cultural, especialmente na área da dança e da música na esfera nacional e internacional em funções na área da produção cultural, atividades pedagógicas, acadêmicas e artísticas, assim como atuou na área política como representante de Santa Catarina no Colegiado Setorial de Dança (2005-2011), vice-presidente da APRODANÇA – Associação dos Profissionais de Dança de Santa Catarina (2010/2011) e presidiu o Conselho Municipal de Políticas Culturais de Florianópolis (2010/2011). Especialista em Dança Cênica (UDESC), é diretora e curadora do Múltipla Dança – Festival Internacional de Dança Contemporânea ( Florianópolis -) desde a primeira

edição em 2006, tendo lançado recentemente a publicação comemorativa de 10 anos de encontros, organizada com Jussara Xavier. Desde 2017, de volta a São Paulo, trabalha como autônoma na formatação e produção de projetos na área cultural e

social e como parecerista em projetos culturais municipais, estaduais e nacionais.

MARA BORBA|| Apesar de ter se formado em artes plásticas Mara Borba, escolheu a arte do palco para se realizar como artista. Seus trabalhos viajam por aí, Berlim, Alemanha, Viena. Foi bailarina e coreógrafa do Balé da Cidade de São Paulo, dançou por quatro anos no Teatro Nacional Alemão em Weimar. Criou coreografias e foi premiada por suas criações, entre elas Certas Mulheres” (1980). Coreografou para peças teatrais, tais como Opera do Malandro, 1978 e coaching para William Hurt no filme "O Beijo da Mulher Aranha" (1985), com direção de Hector Babenco. Em 2002, assinou a direção, coreografia e cenário da Ópera Édipo Rei, de Stravinsky, no Teatro Municipal de SP. Atualmente, desenvolve outras habilidades, como compositora e intérprete, e criou nesse momento pandêmico, TransFiguradas Figuras, baseado em seus conteúdos musicais, onde participam a distância, artistas convidados.